sábado, 11 de junho de 2011

Lógica do Amor Contemporâneo

Donde haveria de vir um sentimento
Se o corpo não mais que da razão se ocupa
E nada mais lhe preocupa
Que senão, da lógica, o argumento?

E assim, ainda que verdadeiro o antecedente
Implique numa verdade o consequente
Do raciocínio, a veemência:
Não se faz válida a inferência

O amor há de ser sempre
Uma falácia!